SEXO CASEIRO 1

GOSTARIA QUE UM MACHO FIZESSE ISSO COM A MINHA ESPOSA


Sra Aburus

SOMOS

Somos um casal de bem com a vida,apaixonados,simples, maduros, com filhos maravilhosos, em busca de casais com idade compatível com a nossa, homens acima de 30 anos e mulheres para sexo com sigilo e cumplicidade. Não gostamos de parceiros que tratam as esposas alheis como putas baratas, pois elas não são. Entre quatro paredes gostamos de sexo prazeroso e com cumplicidade. Havendo afinidade, no auge do climax, ela gosta de ouvir palavras quentes e ousadas, palavras que a excitem.
Buscamos acima de tudo, conhecer e fazer amizade com:
- Homens com mais de TRINTA ANOS ;
- Mulheres FEMININAS;
- Casais MADUROS (Ele/Ela);
- Casais MADUROS (Ele/Ele) ;
- Casais (Ela/Ela)
Para, após um contato inicial onde vamos ver nossas afinidades, exibicionismo, sexo a dois, swing e ménage, sexo grupal. Somos iniciantes, com muitas fantasias, e estamos querendo realizar todas que a imaginação permitir, sem aberrações, sado ou violências de qualquer espécie. Queremos formar um grupo de amigos para festas regadas com muito "leite".



OS FOFOS TAMBÉM AMAM

OS FOFOS TAMBÉM AMAM
Ah... Esse espelho estratégicamente colocado... Dá uma vontade.

FOFOS TAMBÉM AMAM

PORQUE É TÃO DIFÍCIL SE VER "GORDINHOS" SE AMANDO, PORQUE SÁO SEMPRE SARADOS, OS BARRIGAS DE TANGUINHO QUE SE APRESENTAM NO MSN? POR ACASO OS"GORDINHOS" NÃO TEM DESEJOS, NÃO SENTEM TESÃO? CLARO QUE SIM! VAMOS LÁ, ESSE É UM ESPAÇO PARA FOFINHOS, MADUROS, NEGROS, MULATOS, PARDOS, AMARELOS, ATÉ PARA OS VERMELHOS, MAS QUE NÃO SEJAM DE RAIVA. RSRSRS BEIJOS A TODOS

A "Senhorinha"

A "Senhorinha"
A alegria não está nas coisas, está em nós!

DESEJO NÃO TEM IDADE...

DESEJO NÃO TEM COR, NÃO TEM PESO, NÃO TEM CREDO!
APENAS TRÊS COISAS NA VIDA NUNCA VOLTAM ATRÁS: A FLECHA LANÇADA, A PALAVRA PRONUNCIADA E A OPORTUNIDADE PERDIDA.
VOCÊ VAI DEIXAR PASSAR A OPORTUNIDADE?





Páginas

domingo, 9 de maio de 2010

SAUDADE DO VERÃO

Estamos com saudades do verão, dos amigos e das belas fotos que tiramos. Uma pequena mostra do que aconteceu nesse verão. Beijos quentes









DESAFIO...

Minha esposinha e sua bunda deliciosa, pronta para tomar umas palmadas de leve, fortes estocadas, enquanto o seu macho assiste a tudo, recebendo uma deliciosa mamada na cabeça do pau.
Sexo é quase irreal. Se eu fosse você, estaria atrás dela... Afastando essa calcinha e esfregando a cara em sua deliciosa buceta. Ela quer dar para outro... Eu deixo! Desde que você a trate com muito carinho e faça a minha deliciosa esposinha gozar como nunca! Meu prazer sempre foi dar prazer para essa mulher e, se ela quer, porque não dar? Ela pode tudo, até sentir em sua quente buceta outro pau.
A Sra Aburus é uma mulher, uma fêmea insaciável e pervertida. Seu sexo escorre, delicioso e imoral, e é com ela que eu faço amor.


Me digam, quem já fez menage: como é depois dela gozar no pau do outro?
Minhas suspeitas dizem que vocês adoraram.
Opinem!

Que surpresa excitante


Eu estava no serviço,sossegado, quando comecei a reçeber SMS da minha esposa. Agora, imaginem com quê?
Ela também estava no trabalho,mas pelos vistos devia estar excitada, com quê? Não sei! Mas ela me enviou umas fotos, só para abrir meu apetite. A Sra Aburus adora conversar com amigos pela net, e muita vez, fica bastante excitada e molhada, com a buceta encarcada e as calcinhas meladas.
Me excita saber que minha amada esposa se excita com outros... Quando ela chega em casa, despe as calças e me pede para passar os dedos na sua buceta, e eu é lógico, além dos dedos, passo também a lingua, sorvendo seu molho tão bom...






















Finalmente, depois de um período sabático, estamos de volta com ânimo para retomar nossos desejos e fantasias que ficaram escondidos, mas jamais esquecidos. O objetivo do blog é contar um pouco sobre nós, conhecer pessoas interessantes para realizar nossas fantasias.
Além disso queremos dividir nossas experiências, publicar fotos e escrever o que der na telha, sem censura.
A senhora Aburus anda com uns enjôos, teve uma "caída" após tomar a vacina contra a gripe, mas ultimamente está parecendo um vulcão pronto para explodir de tanto tesão que tem demonstrado.
Então é isso. Esperamos nos divertir juntos.
























Devaneios de Mãe

Atrás do sutiã, só não vai quem não tem peito! E tenho dito!







A hora da escolinha
Mochilinha do space cat nas costas, alguns brinquedos queridos, fralda, copinho (porque eu não gosto de mamadeira) hipoglós amêndoas e cobertorzinho... Cheguei no meu primeiro dia de escolinha e não quis beber o suco, mas rolei pela sala de estimulação, puxei o pé da Gabriela (que tem 5 meses e é uma chorona) e até dormi no colo da tia.
Eu nem chorei, minha escola é lega pra caramba!
A minha mãe sim, chorou! Acho que ela tinha que ser amiga da Gabriela... Vai entender essas mulheres viu...
AMEI
Encontrei esse blog por acaso: http://sutia44.blogspot.com/ e amei!
Para quem não sabe, a Sra Aburus é mãe de uma linda garotinha, uma menina experta, que é a alegria da família e tristeza das Tias da escolinha.

CONTRATO DE CORNO


Segue abaixo o modelo de um contrato de corno, apresentado por um marido submisso e de pau pequeno. Mulheres, o que acham, o que mudariam? E os cornos? Comentem!
1. Este contrato entra em vigor no dia ____ de ________________ do ano de 2010, mantendo-se vigente indefinidamente, até que qualquer das partes contratantes (marido ou mulher) manifeste sua expressa vontade em contrário, momento em que, em virtude do presente pacto, proceder-se-á à sua imediata rescisão, mediante conversa para que ambos exponham seus lados, intercedida por qualquer amiga ou amigo que a esposa escolha.
OBRIGAÇÕES DO MARIDO
2. Eu, o marido, aceito voluntária e incondicionalmente assumir de bom grado a condição de CORNO MANSO, autorizando inicialmente, pela presente avença, a minha mulher a manter quantas relações sexuais deseje, sejam de que caráter sejam e com quantas pessoas quiser, sem limitação alguma de número nem de nenhum outro tipo, bastando a mera vontade da esposa para que estas possam ser levadas a cabo, sem necessidade de notificação prévia ao marido, sem prejuízo de que, depois de sua realização, deva dar conta de referidas relações, como se estabelece na cláusula 6 abaixo. Jamais darei ataque ou questionarei qualquer atitude sexual da minha esposa, e nunca a recriminarei. Pelo contrário, quanto mais puta e vadia sacana, mais minha Dona ela será e mais respeito eu lhe terei.
3. Esta situação inicial incondicional poderá modificar-se a qualquer momento, podendo o marido estabelecer determinados limites, seja no que se refere às pessoas, seja quanto a atos, lugares ou circunstância, obrigando-se a mulher, a partir do momento desta modificação, a respeitar as novas normas e/ou condições. Prometo dar a bunda sempre que ela quiser, sendo o corno submisso sempre com ela e sempre o bi passivo com os outros.
4. Eu, o marido, favorecerei de bom grado e por todos os meios a meu alcance os encontros de minha esposa com seus amantes, participando e colaborando com ela a escolher a roupa mais adequada, a instruí-la nas atitudes que por minha experiência masculina entenda possa resultar mais sugestivas e atrativas para o sexo oposto e, em geral, a tudo o que possa contribuir para que minha mulher se sinta mais atraente, insinuante e sensual. Se ela ou seu amante me pedirem, estou obrigado a participar ativa ou passivamente em qualquer encontro sexual que ambos me proponham: ménage, orgia, suruba, vouyerismo etc. Prometo amá-la e ficar com ela eternamente, nunca a traindo ou tendo relações com outra sem o consentimento dela. É sempre dever do conrno limpar a esposa, especialmente se estiver esporrada. De preferência com a língua.
OBRIGAÇÕES DA ESPOSA
5. Eu, a esposa, declaro pelo presente contrato, que conheço e aceito as cláusulas anteriores e que participo LIVRE e VOLUNTARIAMENTE nos contatos sexuais com pessoas de minha escolha, sem nenhum tipo de coação. Prometo compreender que meu marido me ama tanto que quer me compartilhar com todos, para que todos vejam a mulher safada e gostosa que ele tem, entendo que ele sente tesão de verdade em ser humilhado sexualmente por mim, e de achar que homens de pau grande são mais machos do que ele.
6. Assumo o compromisso principal de RELATAR, com riqueza de detalhes, ao meu marido, todos os encontros sexuais e pessoais com meus amantes, sem nada omitir, compromisso que assumo sob juramento. Prometo ser a puta que ele precisa que eu seja, e transformá-lo no corninho bi passivo de pau pequeno que ele quer ser.
7. Nós, esposa e marido corno, adotaremos as medidas necessárias para evitar qualquer tipo de contágio de doenças sexualmente transmissíveis ou outras infecto-contagiosas, assim como a prevenir gravidez. Fica sempre a cargo do corno meter a mão no pau dos machos para ver se a camisinha está bem colocada. Reservando-me, eu a esposa, todavia, decidir, por meu exclusivo arbítrio e juízo, em casos concretos de extrema confiança, a supressão destes meios preventivos, quando existam garantias idôneas e suficientes, caso em que serei obrigada a comunicar a decisão ao meu marido, fazendo-o lamber a porra do macho também.
8. Da mesma forma, eu, a mulher, assumo que o único objetivo das minhas relações com terceiros é EXCLUSIVAMENTE O PRAZER FÍSICO E SEXUAL, excluindo-se os vínculos de caráter afetivo e sentimental que de alguma maneira possa contribuir para deteriorar o casamento com meu marido ou afetar minhas obrigações familiares. Se em algum momento da minha relação com algum de meus amantes surgir algo além da mera atração física, deverei proceder por iniciativa própria, visando a terminar dita relação, podendo começar qualquer outra com diferentes pessoas para os fins já especificados. Me comprometo a matar a saudade bi-sexual do corninho, encorajando sempre meus machos a enrabá-lo na minha frente, e eu e minhas amigas podemos arrombá-lo com pênis de silicone e cinta.
9. É da exclusiva competência do marido autorizar ou denegar ausências da residência superiores a três dias ao mês, devendo a esposa contar previamente com autorização expressa do marido para períodos de férias com seus amantes, viagens de prazer com eles ou qualquer outra celebração que suponha uma ausência superior à já indicada. Prometo amá-lo sempre, ficar com ele eternamente (mesmo que fique broxa, diminua ainda mais o tamanho do pauzinho, e eu esteja tão arrombada que já não me satisfaça com o seu pintinho-grelinho me roçando).
OBRIGAÇÕES EM COMUM
10. Fica estabelecido como obrigação e também como direito, que a esposa desfrutará ao máximo de seus encontros sexuais com terceiros, tanto quanto resta contratado com seu marido e por este autorizado, não devendo sentir-se nenhum complexo de culpa em nenhuma destas circunstâncias. Por seu turno, o marido desfrutará com o relato detalhado das aventuras sexuais de sua mulher e se sentirá feliz e alegre, sabendo que sua mulher desfruta e goza amplamente com estas relações, e que ele ainda perde no troca troca por ter pau pequeno.
11. Ficam autorizadas, permitidas e até recomendadas na intimidade do casal ou mesmo fora dela se ambos estiverem de acordo, sempre que não seja em tom de deboche, todas as alusões às aventuras sexuais da mulher e aos cornos do marido, assim como o uso de expressões e termos tais como "puta", "putinha", "safada", "cadela", "corno", "corno manso" e similares, as quais jamais serão consideradas como pejorativas ou ofensivas. O uso dos símbolos como alusões aos chifres assim como citações na roupa (textos em camisetas etc.) e demais casos análogos poderá ser requerido por qualquer das partes para situações cotidianas que se decidam por mútuo acordo.É encorajada a constante comparação do membro diminuto do corno com as jebas másculas dos pegadores da esposa, além da conversa com amigas sobre tamanhos de pau mais gostosos. A esposa pode sempre recorrer a esta artimanha inteiramente sexy, podendo surpreendê-lo pois isso dá tesão ao corno. O corno deve sempre pedir a permissão para qualquer coisa.

Lido, achado conforme e aceito por ambos os cônjuges, vai por eles assinado.
Em ___________________________, aos _______ de ___________ de 20_______.
(cidade) (dia) (mês) (ano)



__________________________ _____________________________

MARIDO CORNO ESPOSA PUTA

A PRIMEIRA VEZ


Sou fofinha, morena de olhos amendoados, com um bunda que não chega a parar o transito, mas é bem elogiada. Tenho trinta e poucos anos, sou mãe de familia e, não posso me expor muito... Não posso ficar passeando muito por aí, pois corro o risco de encontrar algum conhecido, e eu morro de medo de encontrar algum. Rsrsrs. Isso é um problema!
Problema ou não, nunca deixei de aproveitar uma oportunidade. Quando ainda não tinha uma "cabeça" preparada, quanto era uma adolescente bobinha, eu e meu namorado ficavamos nos abraços, beijos, que sempre me deixavam no maior fogo, mas eu tinha medo dele me comer e me abandonar!

Um dia meus pais viajaram e, bem... Não iriamos perder a oportunidade de dar pelo menos uns amassos. Nem fomos para o quarto, na sala mesmo já aproveitamos para dar os primeiros amassos. Queria beijá-lo, tocar no seu pau, ceder as tentações. Como ele não era bobo nem nada, já subiu em cima de mim, retribuindo as carícias. Não demorou muito e ele tirou minha blusa, ficou passando a mão nos meus seios, me chupando. Quando suas mãos começaram a descer, quando chegou nas minhas coxas, a minha bucetinha já estava encharcada. Pra ser sincera, parecia um poço, tamanha a umidade. Mas voltando, eu era uma garota virgem, toda molhada mas virgem. Eu tirava a sua mão dele do meio das minhas coxas, mas ele voltava, até que... Ele começou a chupar meus peitos, e enquanto eu gemia distraida, ele voltou com a mão na minha bucetinha virgem!

Resolvi bater uma punheta pra ele, só pra ver se ele deixava a minha xotinha quieta. Fui descendo com a lingua até o ziper e abri sua calça. O pau do meu namorado era grande, e bem grosso! Bati a punheta com gosto. Olhava pra cara dele sentindo um prazer imenso, pois adorava vê-lo se contorcendo de tesão, gemendo. Não demorou muito e o safado foi empurrando minha cabeça em direção ao pau duro. Eu, uma garota virgem, nunca tinha feito um boquete. Quando ele percebeu que fiquei com receio, disse que eu não precisava fazer se não quisesse, mas claro que eu queria. Estava louca pra cair de boca naquele pauzão. Tem coisas que não é preciso ensinar, e boquete ffoi uma coisa que aprendi rapidinho. No começo eu achei estranho, mas fui pegando o jeito, indo e voltando, punhetando, lambendo a cabeça, chupando... Tentei botar ele inteiro na boca, mas foi impossível.

Meu namorado gemia, dizia que eu era muito gostosa, que tinha aprendido direitinho! Depois de um bom tempo só chupando pau, ouvindo os gemidos e palavras de incentivo do meu namorado, ouvi uma que me fez delirar. Ele disse que daquele jeito ia gozar. Não liguei, queria sentir o gosto da porra na minha boca, sentir a quentura em meu rosto! Foi assim que tomei a primeira dose de porra. Depois dele juntar meus peitos e começar a fazer uma espanhola, quase gozando, ele meteu o pau na minha boca e se acabou. Me encheu a boca de porra e ainda gozou no meu rosto. Lambi todo o leitinho e fui me limpar.

Achei que tinha apagado o fogo do meu namorado, mas assim que voltei encontrei-o de pau duro me esperando. Como de costume, eu sempre cavalgava nele, mas de roupa. E agora? Eu estava só de calcinha. Subi no pau dele e comecei a cavalgar. Estava uma delicia. Ele susurrava no meu ouvido, dizia que eu estava bem molhadinha, que eu era muito gostosa, e enquanto eu gemia de prazer, ele foi se aproveitando. Com o pau cada vez mais duro, ele deu umas pinceladas no meu grelinho com a cabeçona lustrosa. E não é que o safado, sem eu perceber, colocou a minha calcinha de lado e... Ele estava quase metendo. Eu mandei parar, mas ele não me obedeceu. Senti a cabeça entrando cada vez mais, e apesar do medo, estava muito gostoso. Continuei cavalgando até começar a sentir dor. Na hora sai de cima dele, mas ele não desistiu e veio pra cima de mim, chupando meus peitos. Nós estavamos loucos de tesão, e eu mais ainda. Então, eu o abracei e me agarrei nele com as pernas, deixando seu pênis na entrada da minha bucetinha.

Com uma estocada, ele começou a meter. Me senti rasgada ao meio, doeu muito no começo, mas eu estava bem molhada e a dor se transformou em prazer. Ele foi metendo cada vez mais rapido, bombando a minha buceta e eu ali, gemendo, adorando tudo aquilo. Empurrei-o e sentei nele de novo, só que dessa vez sem nada. Adorei cavalgar sentindo o pau do meu namorado nas minhas entranhas. Subi e desci cada vez mais rapido, esfregando meus peitos na cara dele. Ficamos nisso até ele gozar dentro de mim, até eu sentir a porra quentinha escorrendo.

Deitei de lado, cansadinha, e um dedo maldito foi abrindo meu cuzinho! Estava decidida a deixar meu buraquinho pra depois, então disse no ouvido dele:

- Quero te chupar!

E fiz um boquete de profissional, segundo ele, até saciá-lo. Tadinho, ele merecia.