SEXO CASEIRO 1

GOSTARIA QUE UM MACHO FIZESSE ISSO COM A MINHA ESPOSA


Sra Aburus

SOMOS

Somos um casal de bem com a vida,apaixonados,simples, maduros, com filhos maravilhosos, em busca de casais com idade compatível com a nossa, homens acima de 30 anos e mulheres para sexo com sigilo e cumplicidade. Não gostamos de parceiros que tratam as esposas alheis como putas baratas, pois elas não são. Entre quatro paredes gostamos de sexo prazeroso e com cumplicidade. Havendo afinidade, no auge do climax, ela gosta de ouvir palavras quentes e ousadas, palavras que a excitem.
Buscamos acima de tudo, conhecer e fazer amizade com:
- Homens com mais de TRINTA ANOS ;
- Mulheres FEMININAS;
- Casais MADUROS (Ele/Ela);
- Casais MADUROS (Ele/Ele) ;
- Casais (Ela/Ela)
Para, após um contato inicial onde vamos ver nossas afinidades, exibicionismo, sexo a dois, swing e ménage, sexo grupal. Somos iniciantes, com muitas fantasias, e estamos querendo realizar todas que a imaginação permitir, sem aberrações, sado ou violências de qualquer espécie. Queremos formar um grupo de amigos para festas regadas com muito "leite".



OS FOFOS TAMBÉM AMAM

OS FOFOS TAMBÉM AMAM
Ah... Esse espelho estratégicamente colocado... Dá uma vontade.

FOFOS TAMBÉM AMAM

PORQUE É TÃO DIFÍCIL SE VER "GORDINHOS" SE AMANDO, PORQUE SÁO SEMPRE SARADOS, OS BARRIGAS DE TANGUINHO QUE SE APRESENTAM NO MSN? POR ACASO OS"GORDINHOS" NÃO TEM DESEJOS, NÃO SENTEM TESÃO? CLARO QUE SIM! VAMOS LÁ, ESSE É UM ESPAÇO PARA FOFINHOS, MADUROS, NEGROS, MULATOS, PARDOS, AMARELOS, ATÉ PARA OS VERMELHOS, MAS QUE NÃO SEJAM DE RAIVA. RSRSRS BEIJOS A TODOS

A "Senhorinha"

A "Senhorinha"
A alegria não está nas coisas, está em nós!

DESEJO NÃO TEM IDADE...

DESEJO NÃO TEM COR, NÃO TEM PESO, NÃO TEM CREDO!
APENAS TRÊS COISAS NA VIDA NUNCA VOLTAM ATRÁS: A FLECHA LANÇADA, A PALAVRA PRONUNCIADA E A OPORTUNIDADE PERDIDA.
VOCÊ VAI DEIXAR PASSAR A OPORTUNIDADE?





Páginas

sábado, 1 de maio de 2010

Sexo no Elevador


Eu tinha acabado de voltar de uma noite de bebedeira,Eu e Ele. Quando nós chegamos à porta de seu edifício, nossas mãos se entrelaçaram, umas sobre as outras. Felizmente para nós, seu prédio possuia um elevador, antigo, daqueles que tem uma porta de grade que tem que ser puxada para que se possa acessá-lo. Sete pavimentos, sete lances de escada, vinte e quatro apartamentos. Ás três horas da manhã, quem andaria tal qual um zumbi controlando os corredores, fiscalizando o elevador? Ninguém! Apertamos o botão e ficamos ali, nos sentindo mutuamente, enquanto esperávamos o elevador chegar no térreo.
Quando entramos, queriamos que ele decolasse, iniciasse um longo vôo. Então, Eu apertei o botão... O botão pra parar o elevador e empurrei Ele contra a parede. Em um movimento rápido, Eu me abaixei, puxei as calças dele até o joelhos. Calça e cueca, e comecei a trabalhar naquele pau duro que apontava, tal qual uma seta, para meu rosto. Envolvi a carne rosada com meus lábios,cuspi em torno dele e acariciei o eixo. Parecia uma rocha, duro, pronto.
Enquanto me sentia como a atriz do filme Garganta Profunda, com o pau dele todo enfiado na boca,puxei minha calcinha para baixo e, dois dedinhos mais afoitos foram brincar com meu bichinho de pelúcia. O bichano estava molhado,pronto para seu pau. Foi ai que Ele tomou as rédeas da coisa, agarrou minha cabeça e começou a me foder a boca, fazendo seu pau ir ainda mais fundo.
Após poucos minutos, Ele me puxou e me jogou contra a parede do elevador. Por sorte era madrugada, certamente ninguém ouvira o barulho do choque do meu corpo contra a parede revestida com fórmica. Ele me levantou e Eu abri as pernas. Molhada do jeito que eu estava, foi fácil seu pau deslizar para dentro da minha buceta. De repente, a campainha do elevador tocou. Ele ignorou o irritante soar daquela maldita campainha. Sorte minha, pois Ele começou a perfurar minhas carnes com seu pau duro, de forma rápida. Eu respirava com dificuldade, tentando recuperar o fôlego a cada impulso.
Ele precisava gozar rápido, assim, segurou minha bunda com força, apertando minhas carnes com seus longos dedos finos. Enlacei Ele com minhas pernas,apertando sua cintura.A campainha tocou, e Ele mais rápido, mais e mais rápido, bombando minhas carnes ao som da campainha do elevador. Mais e mais, e como por encanto, senti o primeiro jato quente banhando meu sexo, depois outro e mais outro. Uma paz interior invadiu meu ser, só quebrada pelo soar da campainha do elevador.
Nos limpamos com minha calcinha e puxamos a grande, liberando a porta para sairmos. Iratamos de fechar a grade para liberar o elevador para o irritadinho que não parava de apertar o botão da campainha. Descemos um andar pelas escadas e entramos no apartamento dele, deixando o susto passar, a adrenalina baixar, antes de nos livrarmos das roupas e nos entregarmos a uma madrugada de luxuria e prazer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário